sábado, 15 de agosto de 2009

A CICATRIZ


Um menino tinha uma cicatriz no rosto, as pessoas de seu colégio não falavam com ele e nem sentavam ao seu lado, na realidade quando os colegas de seu colégio o viam
franziam a testa devido à cicatriz ser muito feia. Então a turma se reuniu com o
professor e foi sugerido que aquele menino da cicatriz não freqüentasse mais o
colégio, o professor levou o caso à diretoria do colégio.



A diretoria ouviu e chegou à seguinte conclusão: Que não poderia tirar o menino do
colégio, e que conversaria com o menino e ele seria o primeiro a entrar em sala de aula, e
o ultimo a sair, desta forma nenhum aluno via o rosto do menino, a não ser que
olhassem para trás.
O professor achou magnífica a idéia da diretoria, sabia que os alunos não olhariam mais
para trás. Levado ao conhecimento do menino da decisão ele prontamente aceitou a
imposição do colégio, com uma condição: Que ele compareceria na frente dos alunos em
sala de aula, para dizer o por quê daquela CICATRIZ.
A turma concordou, e no dia o menino entrou em sala dirigiu-se a frente da sala de aula
e começou a relatar:
- Sabe turma eu entendo vocês, na realidade esta cicatriz é muito feia, mas foi assim
que eu a adquiri:. Minha mãe era muito pobre e para ajudar na alimentação de casa minha mãe passava roupa para fora, eu tinha por volta de 7 a 8 anos de idade... A turma
estava em silencio atenta a tudo . O menino continuou: além de mim, haviam mais 3
irmãozinhos, um de 4 anos, outro de 2 anos e uma irmãzinha com apenas alguns dias de
vida.

Silêncio total em sala.

-... Foi aí que não sei como, a nossa casa que era muito simples, feita de madeira
começou a pegar fogo, minha mãe correu até o quarto em que estávamos pegou meu
irmãozinho de 2 anos no colo, eu e meu outro irmão pelas mãos e nos levou para fora,
havia muita fumaça, as paredes que eram de madeiras pegavam fogo e estava muito
quente... Minha mãe colocou-me sentado no chão do lado de fora e disse-me para ficar com eles até ela voltar, pois minha mãe tinha que voltar para pegar minha irmãzinha que
continuava lá dentro da casa em chamas. Só que quando minha mãe tentou entrar na casa em chamas as pessoas que estavam ali não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha, eu via minha mãe gritar: 'minha filhinha estar lá dentro!' Vi no rosto de minha mãe o desespero, o horror e ela gritava, mas aquelas pessoas não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha...
Foi aí que decidi. Peguei meu irmão de 2 anos que estava em meu colo e coloquei ele no
colo do meu irmãozinho de 4 anos e disse-lhe que não saísse dali até eu voltar. Saí
entre as pessoas e quando perceberam eu já tinha entrado na casa. Havia muita fumaça,
estava muito quente, mas eu tinha que pegar minha irmãzinha. Eu sabia o quarto em que
ela estava. Quando cheguei lá ela estava enrolada em um lençol e chorava muito... Neste
momento vi caindo alguma coisa, então me joguei em cima dela para protegê-la, e aquela coisa quente encostou-se em meu rosto...
A turma estava quieta atenta ao menino e envergonhada, então o menino continuou: Vocês podem achar esta CICATRIZ feia, mas tem alguém lá em casa que acha linda e todo dia quando chego em casa, ela, a minha irmãzinha beija porque sabe que é marca de AMOR.

Para você que leu esta história, queria dizer que o mundo está cheio de CICATRIZ. Não
falo da CICATRIZ visível mas das cicatrizes que não se vêem, estamos sempre prontos a
abrir cicatrizes nas pessoas, seja com palavras ou nossas ações.
Há aproximadamente 2000 anos JESUS CRISTO, adquiriu algumas CICATRIZES em suas mãos, seus pés e sua cabeça. Essas cicatrizes eram nossas, mas Ele, morreu em nosso lugar, protegeu-nos e ficou com todas as nossas CICATRIZES.. Essas também são marcas de AMOR.


"Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba. Não ame por admiração, pois um dia você se decepciona. Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação."

2 comentários:

clikamigoss disse...

Pede, determina e segue
Dia a dia, não esquece de alimentar
o que brilha em ti.
Resgata sempre que puderes, um pouco da paz que está em teu coração e com ela celebra e fortifica os teus passos,
as tuas direções.
Descansa no silêncio que pousa em teu ser sempre que teus olhos encontrarem as montanhas,
o nascer do sol...
Sempre que teus ouvidos comungarem com os ventos, com a chuva caindo no mar.
Aprende com a paciência do despertar que é pouco a pouco que tudo vai sendo definido,
que é momento a momento que tudo vai sendo relembrado,
reconstruído e desfrutado.
Não alimenta a pressa que tua mente tem de chegar,
e sim a tranqüilidade que teu coração necessita
para caminhar.
Aprende e aceita, verdadeiramente,
que o que desejas ser-te-á dado, sempre.
Talvez não agora e talvez não da maneira como sonhaste,
mas da maneira como Deus sabe que necessitas, da maneira como Deus sabe que,
assim, serás mais feliz.
Dia a dia, cuida de ti.
Não te castigues fortalecendo a dor, a raiva, a crença na escuridão...
Apenas observa tais estados e sente o que podes aprender com cada um deles,
quais mudanças poderás empreender, e depois deixa-os para trás.
Pede, determina e segue...
O caminho pode parecer longo,
mas àquele que se dedica, dia a dia,
na construção do seu próprio templo,
a este é dado conhecer a alegria de viver apenas o momento, o momento presente.

http://noticiasjornaistv.blogspot.com/

http://curiosidadesdoplantaterra.blogs.sapo.pt/ este é do meu Esposo

Vim fazer uma visitinha e trazer uma linda mensagem
Espero sua visita Idaci deixo esta mensagem com muito Amôr

Valerie disse...

Que história emocionante, Ângela! Linda!

Realmente todos trazemos nossas cicatrizes e feridas na alma, mas ainda assim somos lamentavelmente preconceituosos com as alheias.

Um beijinho carinhoso.